>Nossa… faz tempo que eu não escrevo… sorry… na verdade, não é por falta de tempo, ou por falta de assunto… deixei de escrever algumas vezes para não ser repetitivo (ou seja, não continuar falando do Você) e outras por outros motivos que prefiro não mencionar…

Então, já que eu não tenho nada pra falar, vou filosofar um pouco sobre a frase que eu tenho no Orkut… a frase é: “Tudo na vida tem um preço”.
Apesar de eu tê-la ouvido váááárias vezes… a primeira vez que eu parei para pensar nela foi quando eu ouvi (e não foi dita pra mim, só pra constar) “Tudo na vida tem um preço… não necessariamente em dinheiro”… foi nisso que parei pra pensar no conceito de preço… e nas minhas viagens individuais (sim, eu estou na comunidade “Eu penso demais na vida”) eu cheguei à conclusão de que sim, tudo na vida tem um preço…
Confesso ser engraçada a reação ou interpretação que as pessoas têm dessa frase… e é por isso que eu estou aproveitando o momento de não ter nada a dizer para explicá-la…
Antes de começar, vou explicar o que eu acho que é o entendimento da maioria em um exemplo… essa frase já estava na meu Orkut há muito tempo… mas depois que eu e a Isa terminamos, teve gente que viu a frase e achou que ela foi parar lá pelo motivo do término, e eu ouvi: “Nossa, que frase… andou aprontando, é?”  …por causa desse comentário em especial, mas também por causa de outros é que eu cheguei a conclusão que as pessoas enxergam essa frase negativamente… portanto, carente de explicação…
Acredito fortemente nisso que vou explicar pra vocês e não vejo muito que as pessoas tenham como discordar, mas blah…
Essa frase está diretamente relacionada com o conceito de causa-conseqüência (aliás, quando é que o trema sairá oficialmente da língua portuguesa?)… o que as pessoas não enxergam é que o “preço” em alguns casos, é a causa… e em outros, a conseqüência… e TUDO se encaixa nisso…
Uma coisa é fato: pagar o preço é INEVITÁVEL! Nós SEMPRE pagamos o preço… e é isso que é o importante reconhecermos…
Bom, vamos definir o “preço” com um exemplo… o preço pode ser horas/dias/meses/anos de dedicação… perseverança… afinco… esforço… isso é normalmente um preço que se paga antes… por outro lado, quando somos vítimas de preguiça, medo, insegurança, etc… nos vemos em uma situação onde pagamos o preço depois…
Exemplo prático mas questionável se considerarmos as exceções a regra (não se prendam a isso, por favor): uma pessoa que passa pela faculdade. Creio que a faculdade sempre exige um pouco da gente. Toda essa exigência de tempo, esforço, dedicação, etc, é o preço que estamos pagando… o que tende a ser o resultado? Um emprego melhor… um salário melhor… e para aqueles que não quiseram passar por uma faculdade? Eles optaram por não pagar esse preço… e o que acaba sendo o preço pra eles? Um emprego não tão bom… um salário não tão bom… (sei que isso é relativo e que há exceções, mas já pedi para não focarem nesse ponto), esse emprego/salário não tão bom é o preço que se paga por não querer passar por uma faculdade… entenderam o conceito? Isso é só um exemplo…
Generalizando, quando alguma coisa boa acontece com a gente, muito provavelmente é porque pagamos o preço antes… e normalmente, as coisas ruins que acontecem com a gente é o preço que pagamos por algo que não fizemos, ou poderíamos ter feito diferente…
Resumindo: tudo na vida tem um preço.
Onde podemos aplicar isso? Um bom exemplo: para pessoas que querem perder peso. Regimes/dietas/etc para perder peso é um assunto mais freqüente do que eu gostaria que fosse. Para aqueles que convivem mais comigo, sabem que eu, hoje em dia, comento pouco, pra não dizer que comento nada, sobre isso, pois eu acredito que tudo na vida tem um preço. E qual é o problema das pessoas que vivem falando de regime? Elas não querem pagar o preço. Querem emagrecer sem pagar o preço. Quando converso seriamente com alguém que quer emagrecer, eu digo: “Tudo na vida tem um preço. Você precisa escolher o preço que você quer pagar. O preço pode ser comer menos. O preço pode ser se matar na academia. O preço pode ser correr 10km 4 vezes por semana. Não interessa. Você só precisa escolher qual preço você quer pagar” (entendam o conceito, eu sei que um desses preços possivelmente não resolverá o problema de peso de alguém, não se prendam a esses detalhes)
Continuando com essa idéia de que tudo na vida tem um preço (sei que estou repetindo muito essa frase, mas é pra ver se ela entra na cabeça das pessoas), eu afirmo TAXATIVAMENTE: EU CONSIGO FAZER O QUE QUALQUER PESSOA NO MUNDO CONSEGUE e até mais se eu quiser… é o meu lado sonhador falando? Não. Isso é uma crença inabalável minha. Qual é o “problema” então? O “problema” é que eu não paguei o preço que as pessoas pagaram. SÓ! Por que eu não jogo futebol tão bem quando o Ronaldinho Gaúcho? Porque eu não paguei o preço que ele pagou. Por que eu não dirijo tão bem quanto o Ayrton Senna? Porque eu não paguei o preço que ele pagou. Isso vale pra tudo! Pagando o preço, você pode fazer o que você quiser! O preço para todos pode não ser o mesmo, mas tudo tem o preço.
Em termos de música, ou violão para ser mais específico, eu paguei e pago o preço que muita gente não pagou/paga. Em termos de Inglês, eu paguei e pago o preço que muita gente não pagou/paga. Eu estar acima do peso é o preço que eu pago pelos meus exageros alimentares e “cervejísticos”, e quando estou na esteira da academia e bem cansado, o meu pensamento é: “estou pagando o preço”. Não estou cuidando da minha carreira profissional com MBAs, especializações, certificações, etc, e sei que isso tem/terá um preço.
Entender que tudo na vida tem um preço não significa que você precisa pagar todos. Mas é necessário saber que não pagar o preço terá um outro preço que você inevitavelmente pagará.
Continuando com a filosofia… Ninguém é melhor do que ninguém nesse mundo. Os “melhores” só pagaram um preço que você não pagou ainda.
Religião… eu, apesar de ter me identificado mais com o espiritismo (e apesar de eu estar deixando de acreditar também), a opinião mais forte que eu tenho contra QUALQUER religião são as obrigações que elas “impõem”. EU NÃO SOU OBRIGADO A NADA! A única obrigação que a gente tem é de arcar com as conseqüências dos nossos atos. Livre arbítrio! Faça o que você quiser… mas arque com as conseqüências. O que te acontecer de ruim provavelmente é o preço que você tá pagando por algo que fez (ou não fez) e o que fazemos de bom é o preço que pagamos para coisas boas que muito provavelmente acontecerão. Não pensem nisso como castigo ou benção divina, por favor.

Bom, acho que escrevi demais… o resumo é: gente, tudo na vida tem um preço.

Ficarei feliz em continuar a filosofar sobre esse assunto com quem quiser, então fiquem à vontade!

Um forte abraço! 1234 SEMPRE!

PS. Amanhã tem despedida do 115! =)
Advertisements