Depois de tanto tempo… eu acho que não deveria escrever um post revoltado… mas se eu for respeitar isso, sabe-se lá quando é que eu voltarei a escrever… so, here we go…

“A verdade está lá fora”… é assim que começam os episódios de Arquivo X… independente do contexto em que essa frase é dita… isso é algo em que acredito… ninguém é dono da verdade… mas ela está lá (ou aí) para quem ousar tentar descobrí-la… então, qual é o problema?

O problema é que NINGUÉM quer fazer NADA!

Gente, quando pessoas, de muitos lugares, de muitas maneiras diferentes, de épocas diferentes, começam a falar a mesma coisa, é o universo e/ou a verdade GRITANDO para ser ouvida! Por que é que a gente não escuta?

Tem um camarada chamado Denis Waitley que diz: “There are two primary choices in life: to accept conditions as they exist, or accept the responsibility for changing them.”

É MUITO comum você ver gente reclamando de coisas… principalmente no trabalho, mas vemos isso em vários lugares… e a pergunta que fica é: o que você prefere? Continuar reclamando? Ou aceitar a responsabilidade pela mudança? Responder essa pergunta ao lê-la aqui é fácil… na prática, as pessoas inventam desculpas pra não ser o agente da mudança e continuam reclamando… life is too short pra isso…

Segue o trecho do livro “O Óbvio” do camarada James Dale onde ele fala sobre trabalho:

“Trabalhar significa, literalmente, esforçar-se. Trabalhar é algo duro. É exigente, frustrante, estressante, complicado, desafiador, exaustivo. Implica levantamento de muito peso, tanto para o corpo quanto para a mente. Não é de estranhar que tantas pessoas não gostem de trabalhar, ou preferem racionalizar por que não podem ou não querem trabalhar.”

Nessa minha fase mais empreendedora, poucas são as pessoas que eu ouço dizerem taxativamente que não querem empreender… pra ser sincero, só uma pessoa me disse isso e se ela ler isso (acho que ela não sabe da existência desse blog) ela vai saber quem é… TODAS as outras têm uma desculpa… plausíveis ou não, sempre há uma desculpa… ou é a situação financeira… ou a falta de conhecimento… ou assumidamente o medo do fracasso… a gente ouve de tudo… eu arriscaria dizer que alguns realmente não querem, mas acham que existe demérito em admitir que querem ser empregados pro resto da vida (até aposentarem) e por isso não dizem o que realmente sentem…

Hoje eu ouvi um trecho de uma música do Gabriel o Pensador que eu achei que encaixou MUITO BEM para quem quer empreender… aí eu achei a letra e prestei mais atenção… descartando alguns trechos “políticos” e/ou de revolta contra o sistema, o que eu filtrei é:

“Não adianta olhar pro céu, com muita fé e pouca luta
Levanta aí que você tem muito pra fazer
Você pode, você deve, pode crer

Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente
A gente muda o mundo na mudança da mente
E quando a mente muda a gente anda pra frente
E quando a gente manda ninguém manda na gente

Na mudança de atitude não há mal que não se mude
Nem doença sem cura
Na mudança de postura a gente fica mais seguro
Na mudança do presente a gente molda o futuro

Até quando você vai levando porrada!
Até quando vai ficar sem fazer nada?”

E a música é essa:

Querem outro vídeo que, entre outras coisas, passa o mesmo recado?

“The people who are crazy enough to change the world, are the ones who do.”


Vocês reconhecem a voz do narrador?

Pra quem fez o Você: “O mundo muda quando você muda.”

O camarada Gandhi disse: “Be the change you want to see in the world.”

TÁ TODO MUNDO DIZENDO A MESMA COISA!

E se você acha que há pessoas excepcionais no mundo, cito uma frase que até segunda ordem é de autoria de um professor de música que eu tive (e que alguns de vocês já devem ter lido por aqui): “Não há grandes feitos… o que existe é uma média preguiçosa… e não existe orgulho algum em estar acima dela.”

Se você acha que há pessoas excepcionais no mundo, acho que não preciso dizer se você está acima ou abaixo dessa média preguiçosa, né? “Tudo na vida tem um preço”… os excepcionais pagaram antes… os demais, pagaram/pagam/pagarão depois… o preço a gente sempre paga…

Para os notáveis, houve sorte? Se você acredita na sorte, você, para manter a coerência, deve acreditar no azar (ou falta de sorte)… essa conversa toda de sorte é um post a parte, mas fica como exercício refletirem sobre isso… peguem alguém, preferencialmente próximo, que vocês consideram bem sucedido e se perguntem: ele teve sorte? Agora façam o contrário: peguem alguém que vocês acham que é um loser e façam a mesma pergunta: ela teve azar? Eu arriscaria dizer que vocês não responderão “sim” para os dois casos…

Para alguns, ter sorte é estar no lugar certo na hora certa… o raciocínio é válido… mas a analogia que eu prefiro fazer sobre “lugar certo” é “estar preparado… ter o conhecimento… ter as condições satisfeitas…” e, com essa analogia em mente, vi um tweet que casou muito bem com o raciocínio… que, para essa frase de “estar no lugar certo na hora certa”, o tweet diz: “Para estar no lugar certo na hora certa, primeiro, chegue no lugar certo, e depois, espere a hora certa chegar.” Casando esse raciocínio com a minha analogia de “lugar certo” = “estar preparado”, você acredita que houve sorte na vida das pessoas bem sucedidas?

Gente, até quando você vai ficar sem fazer nada? Life is too short… o tempo passa… o tempo passará one way or another…

Resolvi “me jogar” em Fevereiro, faz 8 meses… em uma conversa recente que eu tive com pessoas do meu último emprego, vi que a situação na empresa é a mesma… as reclamações eram as mesmas há quase 2 anos, quando eu ainda estava lá… elas são as mesmas hoje, 8 meses após eu ter saído… e se elas continuarem lá, provavelmente as reclamações serão as mesmas daqui a 2 anos… o que quero dizer é: pra quem não muda, NADA muda… o tempo parece que pára…

O que eu ganho dizendo/escrevendo essas coisas pra vocês? Bom, nos meus estudos do Espiritismo, algo que eu ouvi e que achei tem sentido é: Jesus, muitas vezes, pregava em forma de parábolas… por que? Parábolas são histórias… e histórias sobrevivem melhor ao tempo do que lições prontas… e a lição e/ou moral da história vem com o discernimento que cada um tem para reconhecê-la e isso tende a vir na hora certa… quando eu era menor, por ter estudado em colégio Católico, em uma das aulas de religião escutamos a parábola do semeador… naquela época, e nas explicações mais frequentes que vemos até hoje, o foco está no lado da terra e/ou em que “tipo de terra” nós somos… mas existe uma mensagem “implícita” nessa parábola, que é: o semeador não deixou de semear independente das condições das terras pelas quais ele passou…

Espero que eu tenha compensado a minha ausência com esse post… eu gostaria de poder dizer que voltarei a escrever com mais frequência… mas é mais prudente dizer que tudo depende… =)

Só relembrando, “a verdade está lá fora”… e ela está GRITANDO para ser ouvida…

Advertisements