Elogios… críticas… ou feedback…

Antes de mais nada, um parênteses: gosto quando vejo as coisas que eu “prego” sendo ditas por pessoas famosas ou pesquisas… enquanto eu não for famoso ou ter uma base científica/intelectual “incondicionalmente” aceita, fica mais fácil eu defender os meus pontos de vista apontando citações/pesquisas dos outros… fecha parênteses…

Recentemente, vi uma matéria que recebeu vários “likes” e “shares” no Facebook/Twitter… e o título dessa matéria é: “O que acontece quando você fica elogiando a inteligência de uma criança”… obviamente, uma leitura válida, leiam lá depois… não recomendo que leiam agora pois a maioria das pessoas reclama do tamanho dos meus posts, e como suponho que esse post será longo, é bom eu sugerir que leiam o texto aqui antes de lerem o texto lá… depois eu coloco o link para a matéria… combinado? Então continuemos…

Einstein disse: “Tudo é relativo”… com isso em mente, eu gostaria de enfatizar: “todo adjetivo também é relativo”… ou seja, para que um adjetivo tenha sentido, é bom que ele tenha um contexto… e esse contexto normalmente está implícito para a realidade de cada um (ou de cada grupo). Sempre que dizemos que algo/alguém é bom, alto, interessante, inteligente, bonito, caro, culto etc, estamos sempre comparando com algo/alguém/tudo/a média dentro desse contexto… e embora isso possa ser suficiente para alguns (ou a maioria), eu considero como uma simplificação que pode não agregar… ou pior, explicitar a comparação… e vamos tratar um caso de cada vez…

Primeiro o “não agregar”… vamos imaginar que há duas situações:

  1. A mãe diz para o seu filho: “Você é preguiçoso!” ou “Você é inteligente!”
  2. A mãe diz para o seu filho: “Eu gostaria que você arrumasse a sua cama, guardasse os seus brinquedos, e fizesse a sua lição de casa.” ou “Eu gostei do seu esforço e da nota que você tirou em matemática.”
Em qual dos casos o recado da mãe provavelmente será mais produtivo?

No primeiro caso, é possível que a criança não saiba o que fazer com a informação. É perigoso que a pessoa se conforme com o rótulo negativo a ponto de achar que não consegue mudá-lo… ou que tenha o rótulo positivo como uma característica e que não se esforce para mantê-lo…  as duas coisas são ruins… o ponto de vista da matéria que gerou esse post também é interessante: em resumo bem grosseiro, ele diz que a criança tentará se manter dentro da sua zona de conforto… o que também pode não ser bom. Já o segundo caso, onde somos mais específicos, você chama/resgata a atenção para aquilo que o filho fez e/ou deixou de fazer…

Segundo, o “comparar”… por que comparar pode não ser bom? Pois nem todos (me incluo) sabem como lidar com comparações… Dalai Lama diz: “Pare de se comparar com os outros, porque você vai se achar melhor ou pior. E as duas coisas são ruins.” Acreditarmos ser pior que alguém pode ser um golpe fatal para a nossa motivação… acreditarmos ser melhor pode ser um subsídio para a nossa arrogância…

Bom, eu estava falando de um contexto não profissional pois a matéria é de contexto não profissional… mas o mesmo vale para o mundo corporativo… Madonna uma vez disse: “Deixar claro o que você quer é normalmente o primeiro passo para se conseguir o que quer.”… isso vale para as coisas que você quer que continuem fazendo e também para as coisas que você quer que parem de fazer…

Stop!Onde eu quero chegar com isso? Quero chegar em: não deem (e se possível, não aceitem) feedbacks recheados de adjetivos… é provável que eles não sejam tão construtivos quanto gostaríamos… já adianto, fazer isso exige mais do que simplificar tudo com alguns poucos adjetivos para compensar pela falta de contexto ou critério do trabalho (seu ou de outrem) que está sendo qualificado…

Perdi a linha de raciocínio por conta das mensagens “Saturday night”… e sei que se eu deixasse para concluir o raciocínio depois, provavelmente eu não postaria… então deixo as coisas como estão e qualquer coisa, eu complemento depois… =)

Conforme o combinado,  segue o link: http://www.updateordie.com/2012/04/17/o-que-acontece-quando-voce-fica-elogiando-a-inteligencia-de-uma-crianca/

#peace

Advertisements